Encontro do CB27 discute legislações ambientais de Curitiba e Porto Alegre

08/10/2020
Notícias

No dia 8 de outubro, o CB27 realizou uma reunião de trabalho sobre Legislações Ambientais, que contou com apresentações realizadas pelas pastas de meio ambiente e sustentabilidade de Curitiba e Porto Alegre.

 

Virtual, o encontro buscou promover a troca de experiências entre as capitais brasileiras e apoiou a construção de um Hub de Legislações do CB27, que será lançado em breve. A reunião contou com apresentações a respeito da Política Municipal de Logística Reversa de Porto Alegre e sobre a instalação da CGH Nicolau Klüppel no Parque Birigui, em Curitiba.

 

De acordo com Josiana Saquelli Koch, assessora técnica da Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Curitiba, o Parque Birigui é um dos mais frequentados da capital paranaense. A Central Geradora Hidrelétrica (CGH) Nicolau Klüppel foi inaugurada em 2019 com a intenção de gerar cerca de 21.600 Kwh/mês, o que equivale à metade da energia consumida em todo o Parque Barigui mensalmente.

 

“Em operação há 368 dias, a usina já propiciou a redução de 20 toneladas de emissão de carbono, gerou 68 megawat/hora de energia e propiciou uma economia de quase R$56 mil reais ao município, o equivalente a 143 árvores”, declarou Koch.

 

A coordenadora da Assessoria Jurídica da Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade de Porto Alegre, Angela Molin, falou sobre a legislação de Logística Reversa que está tramitando na Câmara de Vereadores da capital gaúcha.

 

Ela lembrou que Porto Alegre tem cerca de 1,5 milhão de habitantes, 94 bairros, quase três mil km de malha viária e 100% de cobertura de coleta de resíduos. O aterro sanitário fica a 113 km de distância, 72 viagens até lá por dia, equivalente a 16 mil km percorridos.

 

“São 18 cooperativas que atuam na cidade e fazem a separação, e o restante vai para o aterro. A entrega voluntária por parte do gerador ainda é incipiente, a intenção com essa política é que essa modalidade se fortaleça”, apontou Molin.

 

“No total, temos 1080 toneladas por dia na coleta domiciliar, e 253 toneladas desses resíduos domiciliares têm potencial reciclável mas acabam sendo encaminhadas com o aterro sanitário”, lamenta. “As embalagens são foco da legislação, pois representam os potenciais produtos para reciclagem.”

 

Bernardo Egas, secretário de meio ambiente do Rio de Janeiro e coordenador nacional do CB27, avalia que este tipo de encontro apoia o fortalecimento do Fórum em um momento de transição de gestão. “Não podemos deixar as informações se perderem, é importante que estejamos preparados para facilitar a transição aos novos gestores que venham entrar no Fórum CB27”.

 

Os secretários e secretárias presentes ao encontro, assim como suas equipes técnicas, tiveram a oportunidade de discutir as políticas apresentadas e apresentar suas visões em relação à construção de uma cidade sustentável.